Mastodon
Universo Nintendo

Análise – Cannon Dancer – Osman

Preço cheio... cadê os extras? Ou o mínimo de cuidado?

Cannon Dancer (conhecido como Cannon Dancer Osman, no ocidente) é um clássico jogo criado por antigos ex-desenvolvedores originais de Strider (Capcom).

Lançado em 1996 (7 anos após o primeiro strider), Cannon Dancer possui movimentos mais fluidos e precisos que seu primo distante. Mas como o jogo retorna para as plataformas atuais?

Um clássico difícil… difícil mesmo!

Cannon Dancer possui um visual e uma movimentação que é impossível não chamar a atenção. Ele traz uma estética totalmente diferente dos outros jogos do gênero, englobando mitologia Árabe com visuais um tanto esotéricos e coloridos.

Eu considero esse jogo um dos poucos a conseguir trazer uma sensação de estranheza vinda somente de sua incrível e bela arte original, da mesma forma como o jogo El Shaddai fez em 2011.

Além da arte, o jogo possui movimentos fluidos e extremamente rápidos, da qual Strider, pelo ano em que foi lançado, falhava em ter. Mas isso não é necessariamente um ponto positivo em Osman.

cannon_dancer_osman_arte
O jogo traz uma sensação de estranheza que só uma arte e trilha sonora diferente e única conseguem alcançar

A dificuldade de Strider é considerável, porém há um equilíbrio devido ao limitado movimento, já que grande parte dos inimigos trabalham na mesma velocidade que o personagem. Em Cannon Dancer, os inimigos são tão rápidos e fluidos quanto o próprio personagem, com movimentos extremamente erráticos. Nem mesmo os quatro power ups podem ajudar nos momentos mais críticos do game.

Os três últimos estágios do jogo são, literalmente, uma piada em termos de dificuldade, e não de uma forma divertida. Talvez, pelo seu curto tamanho, tenha sido a forma como os desenvolvedores encontraram para aumentar o tempo (e ganhar dinheiro no maior estilo caça-níqueis!) do jogo, mas esqueceram que esse fator não necessariamente deixa o jogo mais divertido.

Relaxado e lançado de qualquer maneira

Clique aqui e receba as notícias direto do Canal Universo Nintendo no seu no Telegram

Mas seria injusto analisar um jogo de 1996 nos padrões atuais, especialmente quando a empresa trouxe o Cannon Dancer da mesma forma que o original.

Esse, para mim, é o grande problema desse jogo. A falta de criatividade e de extras, e cobrando um preço absurdamente caro, mostra o quanto o jogo foi corrido para ser lançado de qualquer forma para a tentar atrair o bolso dos nichados fãs, sem trazer nada que atraia novos jogadores para esse clássico dos arcades.

cannon_dancer_osman_chefes_dificuldade
Prepare-se para morrer muito! A dificuldade do jogo é completamente desbalanceada, especialmente nos últimos estágios

A falta de paixão é tamanha, que até os menus são feios e pouco intuitivos. Os extras são nada mais que cheats para ativação antes do jogo, coisa que qualquer um com um emulador faria (e de graça), o que me faz perguntar como a empresa pensou em atrair jogadores para comprar o jogo com um produto tão relaxado.

Pegue os jogos da Capcom que aparecem em suas versões Collection, por exemplo, como o Arcade Collection ou o Fighting Collection. Não são apenas jogos, mas extras e conteúdo bônus de montão que, mesmo não justificando um preço tão alto, é notável que foi criado com carinho e com conteúdos além dos jogos originais para atrair antigos e novos jogadores.

Cannon_dancer_osman_menu
Com poucos extras (se é que se pode chamar assim) e um menu feio e pouco intuitivo, o jogo traz poucos atrativos

O pouco caso não para por aí: ao jogar no modo Challenge, você pode desbloquear conquistas (achievements)… que não estão presentes no Switch, mas que mesmo assim está informado como se existissem na plataforma da Nintendo, levantando outra questão: qual o sentido desse modo de jogo no Switch?

É difícil recomendar Cannon Dancer para novos jogadores e, com um preço cheio e a falta de qualquer extra interessante, os fãs de longa data provavelmente continuarão buscando por outros métodos para jogar esse clássico.

cannon_dancer_osman_arcade_nintendo
Veredito
Jogo interessante, porém curto e desbalanceado, além de ser um porte caro, relaxado e pouco atrativo. É uma pena, porque Cannon Dancer Osman realmente merecia um retorno mais adequado.
Prós
Uma forma de jogar o clássico na TV ou em um portátil
Estética (do jogo) bela e única
Contras
Falta de extras, de opções… de tudo, na verdade
Preço cheio para pouco (ou nenhum) conteúdo
Dificuldade desbalanceada
3.5
você pode gostar também
Comentários