Universo Nintendo

Análise – Saint Kotar

Amantes de Silent Hill, aqui vem uma história que vai prender vocês!

Sem recordações do dia anterior, você e seu cunhado acordam, sem lembrança alguma do dia anterior, em uma casa abandonada; e sua irmã, desaparecida. Tudo isso em uma cidade estranha, cheia de cidadãos enigmáticos e uma lenda cristã que irá arrepiar a espinha.

Esse terror psicológico, somado ao sobrenatural, tem uma ótima premissa (arrisco dizer que é uma das histórias de terror que melhor se iniciam no universo dos games em anos), mas seria esse conto o suficiente para garantir a qualidade do jogo?

Saint Kotar jogo adventure análise horror psicológico
Saint Kotar é um adventure de atmosfera única, que narra uma forte história de horror psicológico e sobrenatural muito acima da média.

Saint Kotar é arrepiante com gostinho de me conte mais

A primeira hora de Saint Kotar é o que todo fã de Silent Hill deseja. Perguntas que não param, todas significativas, abrindo portas para questões ainda mais sinistras. Em meio a tudo isso, uma cidade com atmosfera opressora e personagens um tanto etéreos.

Conforme ocorre o andamento da história, o conto se torna mais pé no chão, mas continua retendo um mistério aterrorizador.

Infelizmente, essa experiência quase entra em crise quando acessamos o primeiro menu do jogo: o de diálogos. É notável a falta de menus intuitivos. Eu perdi a conta de quantas vezes cliquei na mesma pergunta ao conversar com um personagem, por não saber onde estava a seleção.

Esse fator é frequente em diálogos que possuem mais de 2 opções, e a má otimização, que dá uma pequena travada toda vez que o jogador escolhe uma pergunta/resposta não atenua em nada esse empecilho.

Saint Kotar menus e problemas de português
Menus nada intuitivos e problemas de tradução estragam o que poderia ser um grande adventure de horror psicológico.

Porém, o que realmente empaca a experiência tem haver com a limitação gráfica. Existem jogos que, propositalmente, omitem ou criam ambientes estranhos para aumentar a atmosfera do jogo, o que ocorre em Saint Kotar também.

No entanto, em outros momentos a limitação gráfica simplesmente estraga o que deveria ser fácil de entender, ou que não tinha o objetivo de ser algo escondido ou misterioso na narrativa.

Em determinado momento, por exemplo, conversamos com uma idosa que não possui olhos, nem língua, e ela escreve em um quadro negro para se comunicar através de uma janela (ou seja, não enxergamos a personagem). Como o próprio protagonista narra o que está escrito no quadro, pensei que tivessem utilizado o mesmo dublador para outro personagem, ou que fosse um momento de loucura do protagonista, levando em consideração o contexto. Só quando, lá pelas tantas, o diálogo finalizou com a imagem de uma mão no quadro, e não com o retrato do meu personagem, consegui entender a ideia de que era uma idosa escrevendo em um quadro negro. Quando me dei conta, já havia passado um monte de diálogos que teriam sido melhor compreendidos se eu soubesse com quem ele (o protagonista) estava conversando.

Mas é importante notar que a história de horror em Saint Kotar é muito acima da média, e isso foi o que mais me deixou impressionado. Esses problemas graves não foram o suficiente para tirar minha curiosidade e a vontade de adquirir as respostas para o enredo sinistro e macabro que esse jogo oferece.

cenários asustadores Saint kotar jogo
Cenários assustadores e criativos aguardam o jogador neste adventure de terror.

Gameplay interessante, porém mal executado

Outro fator que me atraiu no jogo foi a liberdade limitada que ele oferece. Em determinados momentos, você poderá escolher caminhos e o que fazer. Essas possibilidades abrem portas para finais antecipados e diálogos novos.

O jogo traz algumas sidequests, por assim dizer. Por exemplo, você pode adquirir um mapa da cidade, e a forma de adquiri-lo são diversas, também podendo ser encontrado em momentos diferentes do jogo, caso o jogador tenha deixado passar.

Porém, essa abertura é limitada, já que em alguns momentos, a “quest” do momento poderá deixar o jogador limitado a certo local da cidade.

Saint Kotar Personagens NPCs
Apesar da modelagem 3D dos personagens ser fraca, seus retratos e personalidades são totalmente sinistros. Sim, a cabeça desse personagem é assim mesmo!

Outro fator interessante é que em alguns momentos você poderá controlar dois personagens, e dependendo de quem você escolher primeiro, você descobrirá coisas antes do tempo.

Essas qualidades deveriam aumentar o valor de replay do jogo mas, infelizmente, por mais criativo que seja a ideia e a história, os problemas técnicos (talvez por falta de experiência e recursos da equipe) não deixam o replay de Saint Kotar em algo atrativo para o jogador.

Veredito
Saint Kotar tem os ingredientes certos para ser memorável, mas a má otimização e os menus nada intuitivos conseguem, infelizmente, transformar uma história extremamente interessante em uma experiência lenta e cheia de problemas técnicos.
Prós
História psicológica de horror acima da média
Estrutura de jogo semiaberta
Lindos e atmosféricos cenários
Jogo em português brasileiro
Contras
Menus nada intuitivos atrapalham a experiência
Engasgos de performance
Limitação gráfica atrapalha a narrativa
Atuação de voz inconsistente (por vezes ótima, por outras horrível)
6.5

ⓘ Amazon Brasil

você pode gostar também
Comentários