Universo Nintendo

Análise – SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE

Reescreva e restaure todos os grandes eventos da franquia Gundam

SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE, distribuído pela Bandai Namco, traz mais um jogo da franquia Gundam. Caso você tenha chegado aqui por acaso ou por curiosidade, essa é nada mais que uma das franquias de animes/mangás mais rentáveis do Japão. Atualmente, a empresa não só tem posse da franquia para jogo, como também é dona de toda a IP Gundam. Com mais de 43 anos de história, muitas adaptações e spin-offs, SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE tenta criar algo novo ao mesmo tempo em que usa toda a sua bagagem.
“Ok, mas do que se trata a série?” Bem, meu caro leitor que caiu de paraquedas, é uma série do gênero mecha (robôs gigantes) que aborda assuntos como guerras espaciais, colonização do universo e avanço da humanidade no espaço. Porém, SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE é um spin-off em que todos os robôs estão em versões super deformadas (SD) e têm seus traços mais suavizados a fim de dar um tom de paródia.

G Universe

SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE se passa dentro do G Universe, uma base de dados com todos os registros dos Gundams na história da humanidade – e é aqui que a história se desenrola. Você é o comandante do esquadrão Gatheroad e, junto de sua assistente de comando, Juno, foram retirados dessa base para consertá-la. O G Universe está apresentando dados corrompidos e fomos escolhidos para consertar esses dados do único modo possível: realizando uma desfragmentação na força bruta. Através das missões de ruptura, vamos retirando personagens ou acontecimentos errados na história para depois realizar as missões como ocorreram canonicamente.

Com mais de 30 séries nas costas, o que não falta é história para ser contada, porém, SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE traz um roteiro original para contar como foi o caminho desse universo até aqui. Sim, você encontrará dezenas e dezenas de spoilers das séries ao longo do jogo, pois eles são necessários para progressão. Entretanto, alguns detalhes ficam opcionais, mas podem ser vistos na galeria “cenas de briefing”, que além de evitar revelar tudo sobre as séries, também é um ótimo jeito de evitar que cenas de pré e pós missão sejam muito longas. A experiência de conhecer o G Universe serve bastante para ativar a curiosidade sobre as séries e conectá-las, criando uma imersão maior – tendo visto ou não as séries – e expandindo o universo da franquia. Por isso, entre em seu robô preferido e vá para batalha.
Ready? Go!

BATTLE ALLIANCE

A princípio, a jogabilidade de SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE pode parecer um tanto robótica (piada inevitável), mas ele usa dois botões para ataque (fraco e forte), duas armas auxiliares nos gatilhos e mais uma arma exclusiva para projéteis. Esse sistema tenta criar vários estilos de batalha ao gosto do jogador, porém, ao mesmo tempo em que parece ter muita coisa, ele entrega pouco. As armas auxiliares e projéteis têm munição baixa e alto tempo de recarga. Mesmo a classe atiradora tem esse problema, o que obriga o jogador a usar mais ataques de curto alcance. Não é exatamente uma crítica, já que saber gerenciar recursos é algo normal, mas isso é um pouco chato quando lidamos com inimigos fora do alcance.

Falando de classe, todos os Gundams estão divididos em 3 categorias:

– Lutadores, especializados em combate de curto alcance;
– Atiradores, especializados em combate à distância;
– Generalistas, balanceados nos dois estilos de combate anteriores.
SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE também conta com um sistema de combos e especiais únicos para cada modelo. Por isso, não é difícil achar um de seu agrado, mas caso ele não esteja disponível, você deve procurar as partes desses modelos espalhadas pelas rupturas e missões verdadeiras. Esse é um método bem interessante e que serve como desculpa para revisitar as fases e, deste modo, também adquirir mais capital para melhorar o seu Gundam preferido para o combate. Caso esteja muito difícil progredir no game, não tenha vergonha de abaixar a dificuldade para o fácil, já que ele apenas diminui os danos (a inteligência dos inimigos continua a mesma), porém, o número de peças como recompensa talvez diminua.

No geral, o combate flui bem, mas essa necessidade de repetição não é tão orgânica (claro, eles são feitos de metal). Sempre que adquirimos um Gundam novo, ele vem no nível 1. Isso força mais ainda a repetição ou jogar no modo fácil (que ainda pode ser difícil), uma vez que temos muitos modelos disponíveis. Por sorte, os pilotos companheiros não sofrem desse problema. Há também a solução de jogar online com outros dois jogadores, mas a minha experiência nesse modo não foi das melhores, visto que os jogadores que estão em níveis altos raramente ajudam novatos, e a progressão da história é pulada automaticamente. O multiplayer também conta com modo local.

Foram mais de 40 horas para terminar SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE, e mesmo assim ainda tem coisas para fazer, como: terminar missões em uma dificuldade mais alta, melhorar outros Gundam e conteúdo extra que vai ser disponibilizado ao longo do tempo para quem adquiriu o passe de batalha. No momento do lançamento desse texto, o jogo já conta com uma expansão disponível. Mesmo com um início meio forçado, acaba sendo bem divertido voltar e buscar partes que faltam e tentar vencer as fases nos modos mais difíceis. Fazer todos os tutoriais ajudou bastante a pegar gosto, porque algumas mecânicas não são tão claras e intuitivas.

Parte técnica

A performance de SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE no Nintendo Switch é ótima: há uma taxa de quadros constante, não há perda de qualidade na imagem no modo dock ou portátil (embora você não possa salvar replays – uma troca bem justa considerando que os tempos de carregamentos são bem pequenos) e há uma boa quantidade de cenários, que apresenta cutscenes muito bem feitas. Novamente, o que fica mais a desejar é o combate, que no início é meio fraco, mas melhora com o tempo. A quantidade de poluição sonora e visual durante os cenários também é uma questão. Embora esses recursos ajudem na imersão e no enriquecimento da história, poderia haver a opção de desligá-los depois da primeira vez. Além disso, por algum motivo, o jogo não pausa durante as missões, mesmo no single player. Por sorte, o Nintendo Switch suspende o jogo se utilizar o modo descanso ou apertar a tecla Home.

A trilha sonora é o ponto alto em questão de fanservice, contando com várias trilhas – sejam elas temas dos Gundam ou de algumas das aberturas das séries. Podemos mudar a música quando usamos o especial; são mais de 100 trilhas par

Veredito
SD GUNDAM BATTLE ALLIANCE é um ótimo jogo para fãs ou curiosos com a franquia. Ele traz um sistema de combate pouco intuitivo, mas fácil de aprender. Totalmente recomendado para fãs da série ou de robôs gigantes.
Prós
Desafiador
Mais de 30 personagens jogáveis
Alto fator de replay
Ótimos gráficos em anime e em 3D
Trilhas sonoras originais das séries
História original e que expande o universo da franquia
Contras
Às vezes, tende a forçar a repetição para avançar no jogo
Durante as missões, o jogo não pausa
As missões têm tempo limite
O sistema de combate é um pouco confuso, porque o tutorial não ensina tudo
Há uma grande variedade de cenários, porém, eles são vazios.
8.5
Incrível
você pode gostar também
Comentários